TVI NOTÍCIAS

Mulher que matou grávida e roubou recém-nascida é condenada a 30 anos em Minas Gerais

Terminou no início da madrugada desta quinta-feira (12) o julgamento de Angelina Ferreira em João Pinheiro no noroeste do estado.

Anúncios

Ela era acusada de homicídio quadruplamente qualificado após a morte de uma mulher grávida e, depois, ter roubado a recém-nascida de oito meses na barriga da vítima.

De acordo com a assessoria do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a mulher foi condenada a 30 anos, 2 meses e 10 dias de prisão.

Reprodução: Facebook


O julgamento durou pouco mais de 16 horas. Foram ouvidas 11 testemunhas, além dos debates entre defesa e acusação.

Anúncios

O 1º Tribunal do Júri entendeu que a o homicídio resultou de outras condutas criminosas da mulher, o que caracteriza um concurso material para o crime, que aumenta as penas.

Além do homicídio, a mulher era julgada também por dar parto alheio como próprio, além de subtração de criança.  

Anúncios

De acordo com a denúncia do Ministério Público, no dia 15 de outubro de 2018, por volta de 13h30, em um matagal localizado nas imediações da rodovia BR-040, próximo ao posto desativado da Polícia Rodoviária Federal, em João Pinheiro, Angelina, agindo por motivo torpe, com emprego de meio cruel, mediante recurso que dificultou a defesa da ofendida e, ainda, para assegurar a execução de outro crime, matou a vítima Mara Cristina Ribeiro da Silva.

No mesmo dia, por volta de 15h30, no Hospital Municipal, a acusada disse que deu à luz a uma recém-nascida da vítima como se fosse filha dela.  

Anúncios

Para cometer o crime, a acusada teria amarrado a vítima em uma árvore pelo pescoço com um arame e cortado a barriga dela com uma faca caseira. Todo o crime foi presenciado pela filha de 1 ano da vítima.

No hospital, após informar que concebeu a criança horas antes, a acusada se negou a ser submetida a exames obstétricos, o que levantou a suspeita do médico, que acionou a polícia.

Anúncios

Após ser convencida por um militar a fazer os procedimentos, a acusada confessou dentro do consultório que a criança recém-nascida não era dela, e sim da amiga dela.

Angelina, entretanto, disse que a vítima tinha conversado com uma amiga pelo telefone e marcado um encontro no bairro Água Limpa.

Ela alegou que havia uma mulher “baixa, morena, acima do peso, com apliques no cabelo, aparentando 40 anos” que acompanhou a vítima e após 25 minutos voltou uma mulher desconhecida com uma recém-nascida nos braços e entregou à suspeita, e pediu para que ela levasse o bebê para o hospital pois ela não estava bem. 

Anúncios

Segundo testemunhas, a acusada chegou em casa com a roupa suja de sangue e trocou a vestimenta antes de ir para o hospital. Uma vizinha chegou a afirmar que a filha de 1 ano da vítima estava “meio abobada e sem estar suja de sangue”.

A defesa da mulher tentou argumentar que há um laudo de insanidade mental, mas a Justiça apontou que o documento foi conclusivo no sentido de que, embora possua enfermidades psicológicas, estas não retiram a capacidade de Angelina entender o caráter de suas condutas.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s