GUERRA NA EUROPA, TVI NOTÍCIAS

Governo brasileiro não assina declaração da OEA e Mercosul que criticam ação militar russa na Ucrânia

Anúncios

No mesmo dia em que condenou a invasão da Ucrânia pela Rússia no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil não apoiou a declaração da Organização dos Estados Americanos (OEA) criticando a ação militar russa contra a Ucrânia.

O governo brasileiro também se recusou a assinar o comunicado do Mercosul que condenava a invasão do território ucraniano pelos russos.

Anúncios

De acordo com informações do jornal O Globo, publicadas neste sábado (26/2), ontem, o Brasil não assinou uma carta da OEA criticando a operação militar russa rumo a Kiev.

A reportagem ouviu um interlocutor envolvido com o assunto que disse que “há, pelo menos, duas razões para essa atitude da delegação brasileira na OEA: a Ucrânia fica no continente europeu, e não nas Américas; e a posição do Brasil foi expressa no Conselho de Segurança da ONU”. Além do Brasil, Argentina, Bolívia, Nicarágua e Cuba não assinaram o documento. 

Anúncios

Procurado, o Itamaraty ainda não se pronunciou sobre o assunto.

O posicionamento do Brasil em relação à OEA não deixa de ser contraditório, pois, em seu discurso na reunião do Conselho de Segurança, o embaixador do Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU), Ronaldo Costa Filho, foi duro nas críticas à invasão e não foi tão neutro como o presidente Jair Bolsonaro (PL), que, inclusive, desautorizou o vice-presidente Hamilton Mourão de criticar o avanço militar russo no interior ucraniano e direção à capital Kiev. 

Anúncios

No discurso, Costa Filho reconheceu que o mundo vive um “momento sem precedentes” em relação à invasão da Ucrânia pela Rússia e que o Brasil está está “profundamente preocupado” com o descumprimento dos russos da Carta da ONU.

Fontes do governo brasileiro tentam evitar criticar o posicionamento de Bolsonaro e alegam que a crise é “interna”, dentro do território russo.

Anúncios

No Ministério da Economia, inclusive, a palavra de ordem é se preocupar mais com a briga eleitoral do que com a crise internacional, mas reconhecem que a atividade econômica terá problemas se o conflito no Leste Europeu for prolongado.

“Estamos sem saber avaliar ainda, mas precisamos estar com as nossas defesas econômicas ativas, porque estamos acabando de sair de uma pandemia e, agora, vem uma guerra”, disse uma fonte da Esplanada.

Anúncios

Após o resultado da votação do Conselho de Segurança da ONU, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, agradeceu aos países que votaram a favor da condenação da Rússia pelos ataques. Foram 11 votos a favor, inclusive o do Brasil, três abstenções e um voto contrário do governo russo, que tem poder de veto e o exerceu durante a votação.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s